Eficácia do alho como ant-ihelmíntico em ovinos

  • J. C. Santos Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil
  • C. J. Olivo Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil
  • M. Severo Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil
  • F. A. Custiel Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil
  • M. Somavilla Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil
  • C. A. Agnolin Instituto Federal de Santa Catarina, São Carlos, SC, Brasil
Palavras-chave: Allium sativum, endoparasitas gastrintestinais, fitoterapia

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi avaliar o efeito do alho como anti-helmíntico em ovinos. A eficácia dos tratamentos foi calculada com base na redução de ovos por grama de fezes (OPG) e coprocultura. Foram conduzidos oito experimentos (En), quatro em condições de confinamento, ovelhas submetidas ao tratamento, repetido quatro (E1) e duas vezes (E2); o mesmo foi conduzido com cordeiros (E3-4) e quatro experimentos (E5-8) em pastagem natural. Foram utilizados ovinos mestiços, manejados em confinamento e alocados em três grupos: controle negativo, outro tratado com alho in natura (120 g/100 kg de peso corporal), administrado em intervalos regulares, quatro ou duas vezes (1º; 7°; 14° e 21º dia ou 1° e 14º dia). O mesmo foi realizado em condições de pastejo, mas com dois grupos: o controle e o tratado com extrato aquoso de alho. O mesmo foi realizado em condições de pastejo, mas com dois grupos: o controle e o tratado com extrato aquoso de alho. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com quatro repetições (ovelhas ou cordeiros). Amostras de fezes foram coletadas dia 0; 7; 14; 21 e 28. Os tratamentos constituídos por alho in natura e extrato de alho apresentaram redução do número de OPG de 55 e 72% em ovelhas e 68 e 76% em cordeiros confinados, respectivamente. Sob pastejo, a redução do número de OPG foi de 80 e 74%, respectivamente, para ovelhas e cordeiros tratados com extrato de alho. Valor aproximado foi observado entre grupos submetidos ao tratamento repetido (quatro ou duas vezes). Valores similares de gêneros larvais foram observados entre os tratamentos em ambas estratégias de manejo.

Referências

CEZAR, A.S. TOSCAN, G.; CAMILLO, G. Multiple resistance of gastrointestinal nematodes to nine different drugs in a sheep flock in southern Brazil. Veterinary Parasitolgy, v.34, p.157-160, 2010. https://doi.org/10.1016/j.vetpar.2010.06.013

COSTA, V.M.M.; SIMÕES, S.V.D.; CORREA-RIET, F. Controle das parasitoses gastrintestinais em ovinos e caprinos na região semiárida do Nordeste do Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.31, p.65-71, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-736X2011000100010

CURRY, A.; WHITAKER, B.D. Garlic as an Alternative Anthelmintic in Sheep.Virginia Journal of Science, v.61, p.1-5, 2010.

FAWZI, E.M.; ELSOHABY, I. Prevalence of Gastrointestinal Nematodes and the Role of Allicin in Treatment of Cattle in Sharkia Governorate. Zagazig Veterinary Journal, v.45, p. 109-117, 2017. Doi: http://10.21608/zvjz.2019.28655.

GRISI, L.; LEITE, R.C.; MARTINS, J.R.S.; BARROS, A.T.M.; ANDREOTTI. R.; CANCADO, P.H.D.; PEREZ DE LEON, A.A.; PEREIRA, J.B.; VILLELA, H.S. Reassessment of the potential economic impact of cattle parasites in Brazil. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária, v.23, p.150-156, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-29612014042

GORDON, H.; WHITLOCK, H.V. A new technique for counting nematode eggs in sheep faeces. Journal Council Science and Industry Research, v.12, p.50-2, 1939.

KUINCHTNER, A; BURIOL, G.A. Clima do Estado do Rio Grande do Sul segundo a classificação de Koppen e Thornthwaite. Disciplinarum Scientia, v.2, p.171-182, 2001.

MASAMHA, B.; GADZIRAYI, C.T.; MUKUTIRWA, I. Efficacy of Allium sativum in Controlling Nematodes Parasites in Sheep. International Journal of Applied Research in Veterinary Medicine, v.8, p. 161-169, 2010.

OLIVO, C.J.; CARVALHO, N.M.; AGNOLIN, C. Óleo de citronela no controle do carrapato de bovinos. Ciência Rural, v.38, p.406-410, 2008. https://doi.org/10.1590/s0103-84782008000200018

RAMOS, F.; REGINATO, L.P.; PORTELLA, L.P.; SANGIONI, L.A.; VOGEL, S.F. Anthelminthic resistance of gastrointestinal nematodes in sheep to monepantel treatment in central region of Rio Grande do Sul, Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira v.38, p.10-16, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1678-5150-pvb-5188

PARRA, C.L. C.; OLIVO, C.J.; AGNOLIN, C.A.; SANGIONI, L.A.; BUZATTI, A.; PIVOTO, F.L. Soluções de alho (Allium sativum L.) no controle de nematódeos gastrintestinais em bovinos jovens da raça Holandesa. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.16, p.545-551, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/1983-084X/11_022

SANTOS, F.C.C.; CARVALHO, N.U.M. Tintura alcoólica de alho (Allium sativum) sobre endoparasitas gastrintestinais de ovinos. Ciência Animal Brasileira, v.15, 2014. http://dx.doi.org/10.5216/cab.v15i1.23284

SAS INSTITUTE. Statistical analysis user's guide. Studio user’s guide version 3.5. Cary: SAS Institute, 2016. 302 p.

SANTOS, F. C. C; VOGEL, F. S. F.; MONTEIRO, S. G. Efeito do suco de alho (Allium sativum L.) sobre endoparasitas gastrintestinais de ovinos. Revista Brasileira de Agroecologia, v.6, p.176-181, 2011.

SILVA, G. S.; ROMERA, D. M.; ARAUJO, D.C.; SILVA, R.A.P.; GOMES, R.A.G. Parasitological status of dairy cattle in Votuporanga and Valentim Gentil, São Paulo state, Brazil. Boletim da Indústria animal, v.69, p.93-97, 2012.

SUNADA, N. S.; ORRICO JUNIOR, M. A. P.; ORRICO, A. C. A.; OLIVEIRA, A. B. M.; CENTURION, S. R.; LIMA, S. R. N.; FERNANDES, A. R. M.; VARGAS JUNIOR, F. M. Controle parasitário utilizando levamizol, ivermectina e alho desidratado (Allium sativum) em ovelhas da raça Santa Inês. Revista Agrarian, v.4, p.140-145, 2011.

TEIXEIRA, M.; CAVALCANTE, A. C. R.; VIEIRA, L. S. Controle de verminose em caprinos e ovinos. Sobral, CE: Embrapa Caprinos e Ovinos, 2015. 20 p.

TSAI, C.; CHEN, H.; SHEEN, L. Y. Garlic: Health benefits and actions. Biomedicine, v.2, p. 17-29, 2012. http://dx.doi.org/10.1016/j.biomed.2011.12.002

UENO, H.; GONÇALVES, V. C. Manual para diagnóstico das helmintoses de ruminantes. Tóquio: Japan International Cooperation Agency, 1998. 143p.

VERÍSSIMO, C. J. Alternativas de controle da verminose em pequenos ruminantes. Nova Odessa: Instituto de Zootecnia, 2008. 127 f.

Publicado
01-08-2019
Como Citar
Santos, J., Olivo, C., Severo, M., Custiel, F., Somavilla, M., & Agnolin, C. (2019). Eficácia do alho como ant-ihelmíntico em ovinos. Boletim De Indústria Animal, 76, 1-7. https://doi.org/10.17523/bia.2019.v76.e1446
Seção
SANIDADE ANIMAL