Métodos de secagem de leitões recém-nascidos leves ou pesados

  • T. F. Martins Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, Campus Rio Pomba, Departamento de Zootecnia, Rio Pomba, MG
  • S. M. Pena Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, Campus Rio Pomba, Departamento de Zootecnia, Rio Pomba, MG
Palavras-chave: Ingestão do colostro, leitegada, mortalidade, pó secante

Resumo

Objetivou-se avaliar o uso de secagem com pó secante ou papel toalha em leitões recém-nascidos classificados em leves ou pesados. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado (DIC), com esquema fatorial 2x2, com 4 tratamentos, 16 repetições e 1 animal por unidade experimental, totalizando 64 animais e 04 matrizes. Cada unidade formada por uma fêmea mestiça (Large White x Landrace), com 116 dias de gestação. Foi avaliado o desempenho dos animais, temperatura retal e de superfície após cinco minutos e trinta minutos ao nascimento, peso da leitegada, tempo de ingestão do primeiro colostro e mortalidade. Os resultados demonstraram que não houve efeito significativo (P> 0,05) nos métodos de secagem e categoria de peso. Não houve efeito significativo da interação entre o método de secagem e a categoria de peso. Conclui-se que a utilização do pó secante em leitões ao nascimento proporciona redução do tempo para início da primeira ingestão do colostro, com manutenção da temperatura corporal e não altera o peso ao desmame, comparado com o uso do papel toalha.

Biografia do Autor

T. F. Martins, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, Campus Rio Pomba, Departamento de Zootecnia, Rio Pomba, MG

Possui graduação em Zootecnia pelo Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais -Campus Rio Pomba (2018). Técnica em Agropecuária Universidade Federal de Viçosa - UFV (2010) . Tem experiência na área de Zootecnia com ênfase em Nutrição e Alimentação Animal.

Referências

BAÊTA, F. C.; SOUZA, C. F. Ambiência em edificações rurais: conforto animal. 2ed. Viçosa: Editora UFV, 2010.

BARROS, P.C.; OLIVEIRA, V.; CHAMBÓ, E. D.; SOUZA, L. C. Aspectos práticos da termorregulação em suínos. Revista eletrônica Nutritime, v.7, p.1248-1253, 2010.

BORTOLOZZO, F, P.; FACCINI, J, E, G.; FACCIN, J. E. G.; LASKOSKI, F.; MELLAGI, A. P. G.; BERNARDI, M. L; WENTZ, I. Desafios e potencialidades para o manejo reprodutivo da fêmea suína. Revista Brasileira Reprodução Animal, v. 39, p. 97-103, 2015.

BORTOLOZZO, F. P.; KUMMER, A. B. H. P.; LESSKIU, P. E.; WENTZ, I. Estratégias de redução do catabolismo lactacional manejando a ambiência na maternidade. Sunitec, 2011. Disponivel em: http://suinotec.com.br/arquivos_artigos/Bortolozzo_2010_Estrategias_de_reducao_do_catabolismo_lactacional_manejando.pdf>.Acesso em: 08 nov 2018.

DIAS, C. P.; SILVA, C. A. Bem-estar dos suínos. 2ª ed. Londrina: Editora Midiograf, 2016.

DEVILLERS, N.; LE DIVIDICH, J.; PRUNIER, A. Influence of colostrum intake on piglet survival and immunity. Animal, v.5, p.1605–1612, 2011. https://doi.org/10.1017/s175173111100067x

DOUGLAS S. L.; EDWARDS S. A.; SUTCLIFFE E.; KINAP, P. Identification of risk factors associated with poor lifetime growth performance in pigs. Journal of Animal Science, v.91, p. 4123–4132, 2013. https://doi.org/10.2527/jas.2012-5915

FERREIRA, E.B., CAVALCANTI, P.P., NOGUEIRA, D.A. ExpDes.pt: Experimental Designs package (Portuguese). R package version 1.1.2. 2013.

GADD, J. Modern Pig Production Technology. Nottingham: Nottingham University Press, 2011. 596p.

GAVA, D.; HEIN, G.; WENTZ, I.; BORTOZOLLO, F.P. Cuidados com a fêmea desde o periodo pré-parto até o desmame. In: BORTOZOLLO, F.P.; WENTZ, I. A fêmea suína em lactação. Porto Alegre: UFRGS, 2010. p.119-160.

KIRKDEN, R. D.; BROOM, D. M.; ANDERSEN, I. L. Invited Review: Piglet mortality: Management solutions. Journal of Animal Science, v. 91, p. 3361-3389, 2013. https://doi.org/10.2527/jas.2012-5637

LIMA, A. L.; OLIVEIRA, R. F. M.; DONZELE, J. L.; FERNANDES, H. C.; CAMPOS, P. H. R. F. ANTUNES, M. V. L. Resfriamento do piso da maternidade para porcas em lactação no verão. Revista Brasileira de Zootecnia, v.40, p.804-811, 2011. https://doi.org/10.1590/s1516-35982011000400014

LIN, X.; JACOBI, S.; ODLE, J. Transplacental induction of fatty acid oxidationin term fetal pigs by the peroxisome e proliferator activated receptor alpha agonistclofibrate. Journal of Animal Science and Biotechnology, v.6, 2015. https://doi.org/10.1186/s40104-015-0010-7

MANZKE, N.E.; GOMES, B.K.; LIMA, G.J.M.M.; XAVIER, E.G. Nutrição de leitões neonatos: importância da suplementação. Arquivos de Zootecnia, v. 65, p. 585-591, 2016.

MONTEIRO, D.P. Assistência ao parto: cuidados com recém-nascido. Revista Suínos & Cia, v. 34, p.62-65, 2010.

NEPOMUCENO, G. L.; CECCHIN, D.; CAMPOS, A. T.; AMARAL, P. I. S.; FREITAS, L. C. S. R.; SOUSA, F. A.; FERRAZ, P. F. P. Ambiente térmico em diferentes tipologias de creches para leitões. Brazilian Journal Of Biosystems Engineering, Brasil, v. 12, p.394-400, 2018. http://dx.doi.org/10.18011/bioeng2018v12n4p394-400

PANZARDI, A.; MARQUES, B. M. F. P. P.; BORTOLOZZO, G. H. F. P.; WENTZ, I. Fatores que influenciam o peso do leitão ao nascimento. Acta Scientiae Veterinariae, v.37, s49-s60, 2009.

PIC SOW AND GILT MANAGEMENT. (2015). PIC Sow and Gilt management manual 2015. Disponível em: http://na.picgenus.com/sites/genuspic_com/Uploads/sowgilt_manual.pdf. Acesso em: 21 outubros 2018.

PINHEIRO, R. Influência do peso ao nascimento para os resultados da maternidade. In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CRIADORES DE SUÍNOS. Produção de suínos: teoria e prática. Brasília, DF, 2014. Cap. 13.1, p. 551-554.

QUESNEL, H.; FARMER, C.; DEVILLERS, N. Colostrum intake: Influence on piglet performance and factors of variation. Livestock Science, v. 146, p. 105-114, 2012. https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03.010

VANDERHAEGHE, C.; DEWULF, J.; KRUIF, A.; MAES, D. Non-infectious factors associated with stillbirth in pigs: a review. Animal Reproduction Science, v.139, p.76–88, 2013. https://doi.org/10.1016/j.anireprosci.2013.03.007

VASDAL, G.; GRAERUM. M.; MELISOVA, M.; KNUT, E.B.; DONALD, M. B.; ANDERSEN, I. L. Increasing the piglets’ use of the creep area—A battle against biology? Applied Animal Behaviour Science, v.125, p. 96-102, 2010. https://doi.org/10.1016/j.applanim.2010.04.010

ZOTTI, E.; RESMINI, F. A.; SCHUTZ, L. G.; VOLZ, N.; MILANI, R. P.; BRIDI, A. M.; ALFERI, A. A.; SILVA, C. A. D. Impact of piglet birthweight and sow parity on mortality rates, growth performance, and carcass traits in pigs. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 46, p. 856– 862 2017. https://doi.org/10.1590/s1806-92902017001100.

Publicado
18-12-2019
Como Citar
Martins, T., & Pena, S. (2019). Métodos de secagem de leitões recém-nascidos leves ou pesados. Boletim De Indústria Animal, 76, 1-7. https://doi.org/10.17523/bia.2019.v76.e1454
Seção
ETOLOGIA E AMBIÊNCIA