Prevalence of mastitis and characterization of milking management of dairy cows in northwestern Sao Paulo state

Resumo

A falta da aplicação de boas práticas no manejo de ordenha pode resultar na ocorrência de uma das principais doenças que acomete o rebanho leiteiro no Brasil, a mastite. O objetivo neste trabalho foi avaliar a prevalência de mastite em rebanhos leiteiros da região Noroeste Paulista e propor a implantação de boas práticas de manejo de ordenha. Participaram da pesquisa 9 propriedades rurais, com 223 vacas em lactação. Todas as vacas em foram avaliadas por meio da realização do teste da caneca de fundo escuro e CMT (“California Mastitis Test”). Além disso foi realizada observação da conduta do funcionário durante a ordenha, estrutura física da propriedade, manejo com os animais e tratamento das vacas secas. Os resultados obtidos foram tabulados, avaliados para elaboração de um fluxograma de ações de boas práticas. A prevalência de mastite subclínica detectada foi de 30,5%, 66,7% possuíam ordenha mecânica e 89% tanque de expansão, mas 77,7% não efetuavam higiene dos equipamentos após ordenha. Pré e pós-dipping não eram realizados por 89%, 66,6% não faziam linha de ordenha e ninguém realizava testes de detecção de mastite. Conclui-se que a mastite subclínica está presente nos rebanhos avaliados. Pode-se observar o manejo adotado em cada propriedade e elencar os principais pontos críticos sendo eles relacionados principalmente a falhas de manejo e higiene de ordenha e equipamentos. A implantação do fluxograma de boas práticas de ordenha é de extrema importância para o produtor, uma vez que, o principal método para evitar e controlar a infecção é a prevenção.

Referências

ALMEIDA, L.A.B., BRITO, M.A.V.P., BRITO, J. R. F., PIRES, M. F. A., BENITES, N. R. Tratamento de mastite clínica experimental por meio de ordenhas múltiplas em vacas leiteiras inoculadas com Staphylococcus aureus. Arquivos do Instituto Biológico, v. 72, p.1-6, 2015. https://doi.org/10.11606/d.10.2004.tde-16062005-082646

BRASIL. Instrução normativa nº 76, de 26 de novembro de 2018. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 30 nov. 2018. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/52750137/do1-2018-11-30-instrucao-normativa-n-76-de-26-de-novembro-de-2018-52749894IN%2076. Acesso em: 11 nov. 2019.

BRITO, D. A. P.; OLIVEIRA, I. S. S.; BRITO, D. R. B.; COSTA, F. N. Prevalência e etiologia da mastite em bovinos leiteiros da Ilha de São Luís, estado do Maranhão, Brasil. Brazilian Journal of Veterinary Medicine, v.36, p.389-395, 2014. https://doi.org/10.11606/t.10.2006.tde-30052007-152355

CESPEDES, C. O. C.; VELHO, J. W. S.; COLOMBO, A. Interpretação da contagem das Células Somáticas em Propriedades Produtoras de Leite. 2014. https://doi.org/10.11606/t.10.2006.tde-30052007-152355

COSTA, A. M. O impacto econômico da mastite clínica e subclínica na atividade leiteira. Palmas, Tocantins: Faculdade Católica do Tocantins, 2017.

DAMASCENO, V.S.; SILVA, F.M.; SANTOS, H.C.A.S. Análise do perfil microbiológico de agentes causadores de mastite bovina e sua relação com a qualidade do leite em uma fazenda do Sul de Minas Gerais. Brazilian Journal of Development, v. 6, p.91409-91421, 2020. https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-522

FLORIÃO, M. M. Boas práticas em bovinocultura leiteira com ênfase em sanidade preventiva. Rio de Janeiro, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Indicadores IBGE: estatística da produção pecuária. 2018. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Producao_Pecuaria/Fasciculo_Indicadores_IBGE/abate-leite-couro-ovos_201802caderno.pdf. Acesso em: 13 mai. 2021.

LANGONI, H.; SALINA, A.; OLIVEIRA, G. C.; JUNQUEIRA, N. B.; MENOZZI, B. D.; JOAQUIM, S. F. Considerações sobre o tratamento das mastites. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 37, p. 1261–1269, 2017. https://doi.org/10.1590/s0100-736x2017001100011

MARQUES, T. M.; LEAES, F. L. Perfil de produtores de leite e percepção sobre boas práticas de ordenha no município de São Luiz Gonzaga – RS. In: 9º Salão Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão, 2019, Porto Alegre. Anais Eletrônicos... Porto Alegre: UERS, 2019. Disponível em: http://conferencia.uergs.edu.br/index.php/IXSIEPEX/IXSIEPEX/paper/viewFile/3554/910 . Acesso em: 10 mar. 2020.

MELO, S. S. P.; CARVALHO, C. M.; SOUZA, S. M. O.; MEDEIROS, M.; FATIMA, C. J. T. Relação entre contagem de células somáticas e diagnóstico de mastite em rebanho leiteiro de Minas Gerais. Revista Científica de Medicina Veterinária da UNICEPLAC, v.5, p. 167-179, 2019. https://doi.org/10.1590/s0102-09352008000100003

NACIONAL MASTITIS COUNCIL. Current concepts of bovine mastites. 4.ed. Madison, 1996. 64p.

OLIVEIRA JÚNIOR, M. B.; VANDERLEI, D. R.; MORAES, W. S.; BRANDESPIM, D. F.; MOTA, R. A.; OLIVEIRA, A. A. F.; MEDEIROS, E. S.; PINHEIRO JUNIOR, J. W. Fatores de risco associados à mastite bovina na microrregião Garanhuns, Pernambuco. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.32, p.391-395, 2012. https://doi.org/10.1590/s0100-736x2012000500005

OLIVEIRA, V. M.; MENDONÇA, L. C.; MIRANDA, J. E. C.; DINIZ, F. H.; REIS, E. S.; GUIMARAES, A. S.; MAGALHAES, V. M. A. Como identificar a vaca com mastite em sua propriedade: cartilhas elaboradas conforme a metodologia e-Rural. Brasília: Embrapa, 2015. 40 p. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/140323/1/Cartilha-Mastite-completa.pdf. Acesso em: 10 mar. 2020.

PHILPOT, W. N.; NICKERSON, S. C. Mastitis: Counterattack. Naperville: Babson Bros, 1991. 150p.

QUINTÃO, L. C.; CUNHA, A. F.; BRAGANÇA, L. J. COELHO, K. S.; NUNES, M. F.; SARAIVA, L. H. G. Evolution and factors influencing somatic cell count in raw milk from farms in Viçosa, state of Minas Gerais. Acta Scientiarum. Animal Sciences, v.39, p. 393-399, 2017. https://doi.org/10.4025/actascianimsci.v39i4.35364

REIS, E. M. B.; VIEIRA, J. A.; LOPES, M. A.; DEMEU, F. A.; BRUHN, F. R. P.;VICENTE, F. H.; PEREIRA, A. B.; SIMOES FILHO, L. M. Diagnóstico de propriedades leiteiras e fatores associados à qualidade higiênico sanitária do leite. PUBVET, v.14, p.1-15, 2020. https://doi.org/10.31533/pubvet.v14n2a508.1-15

SANTOS, M. V; FONSECA, L. F. L. Controle da Mastite e Qualidade do Leite: Desafios e Soluções. Pirassununga: Edição dos Autores, 2019. 301 p.

SILVA, M. V. G.; SANTOS, M.A.; LOBATO, C. L. S. S.; COSTA, A. M.; SILVA, J. H. L.; COSTA, D. N. M. Prevalência da mastite em rebanho de vacas leiteiras na microrregião de Palmas-TO. PUBVET, v.13, p.1-7, 2019. https://doi.org/10.31533/pubvet.v13n9a413.1-7

SILVA, M. V. M.; NOGUEIRA, J. L. M. Mastite: controle e profilaxia no rebanho bovino. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, ano VIII, n.15, p. 3-16, 2010.

SILVA, R. O. P. Sobre a Nova Instrução Normativa n. 7 para a Qualidade do Leite. Análises e indicadores do agronegócio. v. 11, n. 7, 2016.

TISCHER, N. F.; HASSE, V. G.; COPETTI, K. L.; ULSENHEIMER, B. C.; VIERO, L. M. Boas práticas de higiene durante a ordenha. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, v. 1, p. 179-187, 2018.

VENTURINI, C. E. P. A geografia do leite brasileiro. Milk Point. 2014. Disponível em: http://www.milkpoint.com.br/cadeia-do-leite/artigos-especiais/a-geografia-do-leite-brasileiro-87327n.aspx . Acesso: 05 jun. 2021.

ZSCHÖCK, M.; EL-SAYED, A.; EISSA, N.; LAMMLER, C.; CASTANEDA-VAZQUEZ, H. Resistencia a penicilina G y oxacilina, de cepas de Staphylococcus aureus aisladas de mastitis bovina subclínica. Veterinária México, v. 42, p. 207-217, 2011.

Publicado
31-08-2021
Como Citar
Fuzatti, J. V. S., Camargo, R. C., Pinto, M. S., Souza, K. L. S., & Frias, D. F. R. (2021). Prevalence of mastitis and characterization of milking management of dairy cows in northwestern Sao Paulo state. Boletim De Indústria Animal, 78, 1-13. https://doi.org/10.17523/bia.2021.v78.e1497
Seção
SANIDADE ANIMAL