Boletim de Indústria Animal http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia <p align="center"><img src="/bia/public/site/images/fprado/download2.jpg" alt=""></p> <p align="justify"><span style="font-size: medium; font-family: 'book antiqua';">O Boletim de Indústria Animal-BIA é uma revista científica de produção animal e áreas afins, de publicação contínua de acesso livre, on-line, editado pelo Instituto de Zootecnia, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. O BIA tem por objetivo publicar artigos científicos originais em português e inglês, que contribuam para o desenvolvimento da produção animal, nas áreas de Aquicultura, Etologia e Ambiência, Forragicultura e Pastagens, Genética, Melhoramento Animal, Métodos Quantitativos e Economia, Nutrição Animal, Qualidade de Produtos de Origem Animal, Reprodução Animal, Sanidade Animal, e Sistemas de Produção e Agronegócios. Os manuscritos enviados ao Boletim de Indústria Animal devem ser inéditos e não podem ser publicados ou submetidos à publicação em outro meio de divulgação simultaneamente, com exceção de anais de congresso. O BIA publica artigos científicos. O conteúdo dos manuscritos submetidos à publicação no BIA é de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es)</span><strong style="font-size: medium; font-family: 'book antiqua';"><em>.</em></strong></p> Instituto de Zootecnia pt-BR Boletim de Indústria Animal 1981-4100 <p>Os autores não serão remunerados pela publicação de trabalhos, pois devem abrir mão de seus direitos autorais em favor deste periódico. Por outro lado, os autores ficam autorizados a publicar seus artigos, simultaneamente, em repositórios da instituição de sua origem, desde que citada a fonte da publicação original seja Boletim de Indústria Animal. A revista se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua e a credibilidade do veículo. Respeitará, no entanto, o estilo de escrever dos autores. Alterações, correções ou sugestões de ordem conceitual serão encaminhadas aos autores, quando necessário. Nesses casos, os artigos, depois de adequados, deverão ser submetidos a nova apreciação. As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade. Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution (CC-BY-NC). A condição BY implica que os licenciados podem copiar, distribuir, exibir e executar a obra e fazer trabalhos derivados com base em que só se dão o autor ou licenciante os créditos na forma especificada por estes. A cláusula NC significa que os licenciados podem copiar, distribuir, exibir e executar a obra e fazer trabalhos derivados com base apenas para fins não comerciais.</p> Análise da chance de fêmeas bovinas leiteiras destinarem maior tempo a alimentação http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1688 <p>Objetivou-se avaliar a probabilidade de fatores inerentes ao animal e ao alimento aumentarem o tempo de alimentação de fêmeas leiteiras ao longo de um dia. Para isso, foram avaliados todos os artigos publicados no Brasil entre os anos de 2000 a 2018 com acesso via plataforma SciELO e Google Acadêmicos. Como palavra-chave para busca dos artigos, foi utilizada a seguinte frase: “comportamento ingestivo de vacas leiteiras”. A partir dela, foram acessados 34 (trinta e quatro) artigos, dos quais, para entrar na base de dados deveriam informar o grupo genético e/ou raça dos animais, o peso das vacas e apresentar resultados de consumo e características bromatológicas da dieta. Após essa triagem, foram selecionados 9 (nove) artigos. Para análise das variáveis foi utilizada regressão logística, através do procedimento LOGISTIC, disponível no SAS. Os parâmetros foram avaliados pela estatística de razão de chances (odds ratio), em que a mudança nas chances de maior tempo de alimentação foi estimada a partir da função de acréscimos nas unidades das variáveis regressoras. À medida que se elevou o peso vivo, percentual de europeu e consumo de FDN, houve incremento nas chances de maior tempo destinado a alimentação. O consumo de matéria seca (CMS) reflete de forma inversa sobre o tempo de alimentação, à medida que ele se eleva há redução na chance de as vacas destinarem maior tempo a alimentação. O tempo de alimentação sofre influência de características relacionadas ao animal e a dieta.</p> R. F. Pacheco B. C. Morais V. Y. Takayosi J. O. Veiga ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2020-03-04 2020-03-04 77 1 12 10.17523/bia.2020.v77.e1466 Nitrogen requirement of Brachiaria hybrid cv. Ipyporã http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1683 <p>Ipyporã grass, a <em>Brachiaria</em> interspecific hybrid was developed by crossing a genotype of <em>Brachiaria ruziziensis</em> (syn. <em>&nbsp;Urochloa ruziziensis</em>) and an access of <em>Brachiaria brizantha</em> (syn. <em>&nbsp;Urochloa brizantha</em>), which have different nitrogen requirements. Therefore, the objective with work was to verify the nitrogen requirement of the interspecific hybrid of <em>Brachiaria </em>hybrid cv. Ipyporã. Experiment was carried out in a greenhouse in a randomized block design, with twelve treatments and four replications. Treatments consisted of a 4 x 3 factorial arrangement, with four nitrogen doses (0; 100; 200 and 300 mg dm<sup>3</sup>) and three forages (<em>Brachiaria </em>hybrid cv. BRS Ipyporã, <em>Brachiaria humidicola</em> cv. Llanero and <em>Panicum maximum </em>cv. Zuri). Each experimental plot consisted of a 3 dm³ pot with three plants. Three evaluation harvest were done . <em>B. </em>hybrid had greater response to nitrogen fertilization for number of tillers and leaves than the other forages. However, for the total dry mass, <em>B. </em>hybrid was less responsive to nitrogen than <em>P. maximum</em> grass (high demand) and more responsive than <em>B. humidicola</em> (low demand), which shows that this hybrid has medium nitrogen requirement.</p> <p>&nbsp;</p> C. E. A. Cabral C. H. A. Cabral C. R. M. Tesk L. G. Mota G. C. Groto L. J. M. Motta P. E. C. Lourenço A. M. Motta L. V. Barros F. G. Silva J. G. Abreu A. R. M. Santos ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2020-03-31 2020-03-31 77 1 10 10.17523/bia.2020.v77.e1467 Dinâmica do sistema de criação de bezerras no período de aleitamento: modelo conceitual http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1618 <p>O estudo do comportamento ajuda a entender as necessidades dos animais e serve de base para justificar os critérios de bem-estar nas fazendas. Este trabalho utilizou a dinâmica de sistema para encontrar os ciclos causais que influenciam os comportamentos das bezerras leiteiras durante a fase de aleitamento, mantidas em diferentes sistemas de criação (individual ou coletivo com presença ou ausência de estímulo tátil). Como resultado da modelagem, o modelo conceitual de desenvolvimento de bezerras leiteiras possui três subsistemas: (a) subsistema de crescimento, onde existem três ciclos de reforço ligados ao peso das bezerras; (b) subsistema de desenvolvimento social com dois ciclos de reforço associados à aprendizagem das bezerras e dois ciclos de balanço associados à reatividade; e (c) subsistema de termorregulação com três ciclos de balanço associados à temperatura corporal e um ciclo de reforço associado ao estresse térmico. A modelagem conceitual proporcionou maiores informações sobe o comportamento de bezerras leiteiras por tornarem explicitas as integrações entre os subsistemas que compõem o sistema de desenvolvimento geral de bezerras.</p> A. C. K. S. Issakowicz L. M. Toledo L. A. Ambrosio ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2020-02-07 2020-02-07 77 1 19 10.17523/bia.2020.v77.e1465 Farelo de algodão na dieta de codornas japonesas http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1539 <p>O objetivo do trabalho foi avaliar diferentes níveis de inclusão de farelo de algodão na alimentação de codornas japonesas. Foram utilizadas 240 codornas japonesas distribuídas em delineamento inteiramente casualizado com cinco tratamentos e seis repetições, com oito codornas por repetição. Os tratamentos utilizados foram: dieta basal com 0% de farelo de algodão; inclusão de 4% de farelo de algodão; 8% de farelo de algodão; 12% de farelo de algodão e 16% de farelo de algodão. Foram avaliados o consumo de ração individual (g/ave/dia), taxa de postura (%), conversão alimentar por dúzia de ovos (kg/dz), conversão alimentar por massa de ovos (kg/kg), viabilidade das aves, ganho de peso. As variáveis para a qualidade do ovo foram: peso do ovo (g), peso da gema (g), peso da casca (g) peso do albúmen, participação percentual da gema, casca e albúmen, gravidade específica (g/cm<sup>3</sup>). Para consumo individual de ração (g/ave/dia), peso de gema (g), albúmen, percentual da gema, casca e albúmen houve influência (P&lt;0,05) do farelo de algodão na dieta, para as demais variáveis não foi observada diferença significativa (P&gt;0,05). O farelo de algodão pode ser adicionado na dieta de codornas japonesas, sem prejudicar o desempenho e a qualidade dos ovos.</p> C. Ferronato T. M. Bittencourt H. J. D. Lima J. K. Valentim A. C. S. Martins N. E. M. Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2020-04-03 2020-04-03 77 1 8 10.17523/bia.2020.v77.e1468