Boletim de Indústria Animal http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia <p align="center"><img src="/bia/public/site/images/fprado/download2.jpg" alt=""></p> <p align="justify"><span style="font-size: medium; font-family: 'book antiqua';">O Boletim de Indústria Animal-BIA é uma revista científica de produção animal e áreas afins, de publicação contínua de acesso livre, on-line, editado pelo Instituto de Zootecnia, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. O BIA tem por objetivo publicar artigos científicos originais em português e inglês, que contribuam para o desenvolvimento da produção animal, nas áreas de Aquicultura, Etologia e Ambiência, Forragicultura e Pastagens, Genética, Melhoramento Animal, Métodos Quantitativos e Economia, Nutrição Animal, Qualidade de Produtos de Origem Animal, Reprodução Animal, Sanidade Animal, e Sistemas de Produção e Agronegócios. Os manuscritos enviados ao Boletim de Indústria Animal devem ser inéditos e não podem ser publicados ou submetidos à publicação em outro meio de divulgação simultaneamente, com exceção de anais de congresso. O BIA publica artigos científicos. O conteúdo dos manuscritos submetidos à publicação no BIA é de responsabilidade exclusiva de seu(s) autor(es)</span><strong style="font-size: medium; font-family: 'book antiqua';"><em>.</em></strong></p> pt-BR <p>Os autores não serão remunerados pela publicação de trabalhos, pois devem abrir mão de seus direitos autorais em favor deste periódico. Por outro lado, os autores ficam autorizados a publicar seus artigos, simultaneamente, em repositórios da instituição de sua origem, desde que citada a fonte da publicação original seja Boletim de Indústria Animal. A revista se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua e a credibilidade do veículo. Respeitará, no entanto, o estilo de escrever dos autores. Alterações, correções ou sugestões de ordem conceitual serão encaminhadas aos autores, quando necessário. Nesses casos, os artigos, depois de adequados, deverão ser submetidos a nova apreciação. As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade. Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution (CC-BY-NC). A condição BY implica que os licenciados podem copiar, distribuir, exibir e executar a obra e fazer trabalhos derivados com base em que só se dão o autor ou licenciante os créditos na forma especificada por estes. A cláusula NC significa que os licenciados podem copiar, distribuir, exibir e executar a obra e fazer trabalhos derivados com base apenas para fins não comerciais.</p> editor@iz.sp.gov.br (Cristina Maria Pacheco Barbosa) teixeira@iz.sp.gov.br (Sebastião Teixeira) Thu, 04 Apr 2019 08:45:17 -0300 OJS 3.1.1.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Substituição da farinha de carne e ossos por farelo de soja em dietas para Cyprinus carpio http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1447 <p>Os ingredientes de origem animal possuem uma boa composição aminoacidica, porém muitas vezes com grande variação quantitativa. Neste trabalho foi avaliada a substituição da farinha de carne e ossos suína por farelo de soja com e sem o uso de lisina sintética na alimentação de juvenis de carpa comum. Foi conduzido um experimento com duração de 35 dias. Utilizou-se 135 peixes em um sistema de recirculação de água. Foram testadas três dietas: DA (dieta com proteína animal), DV (dieta 100% vegetal) e DV1 (dieta DV suplementada com 1% de lisina sintética). Após o período experimental, foram estimados os seguintes parâmetros zootécnicos: peso médio, comprimento total e padrão, fator de condição, taxa de crescimento específico, ganho de peso relativo, sobrevivência e biomassa. Além disso, analisou-se a composição centesimal dos peixes, onde foi determinado o teor de gordura, matéria seca e matéria mineral da carcaça. Foi medida também a quantidade de glicose plasmática das carpas. Os resultados de peso, comprimento e ganho de peso relativo foram superiores nos peixes alimentados com a dieta DA. Os peixes alimentados com dietas vegetais apresentaram maiores valores de glicose. A dieta com fonte protéica de origem animal é a melhor opção para a alimentação de juvenis de carpa comum.</p> S. Marasca, M. R. C. Jovanovichs, E. G. Durigon, J. Uczay, J. B. Gonzatto, R. Lazzari ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1447 Thu, 04 Apr 2019 07:57:14 -0300 Parâmetros qualitativos do sêmen e morfologia comparada da cabeça e peça intermediária do espermatozoide de Pirapitinga (Piaractus brachypomus), Pacu (Piaractus mesopotamicus) e Tambaqui (Colossoma macropomum) http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1639 <p>&nbsp;O objetivo deste trabalho foi avaliar os parâmetros qualitativos do sêmen e comparar a morfologia da cabeça do espermatozoide entre três espécies de peixes, <em>Piaractus mesopotamicu</em>s<em>, Piaractus brachypomus </em>e <em>Colossoma macropomum</em>. As amostras de sêmen foram coletadas de nove animais, três machos de cada espécie, por método de reprodução induzida no mês de novembro de 2011. Os espermatozoides foram submetidos à análise de motilidade e estudo da morfologia em microscopia eletrônica de varredura. As taxas de motilidade das três espécies avaliadas foram acima de 90%, não diferindo entre elas. Porém, a duração de motilidade do sêmen de pacu foi superior as demais espécies. O comprimento da cabeça (CC) dos espermatozóides de pacu, Pirapitinga e Tambaqui foram, respectivamente, 2,43 ± 0,19 μm, 1,94 ± 0,07 μm e 2,44 ± 0,12 μm. A largura da cabeça (LC) foram, respectivamente, 1,45 ± 0,07 μm, 1,76 ± 0,07 μm e 1,56 ± 0,06 μm. O comprimento da peça intermediária foram, respectivamente, 1,00 ± 0,10 μm, 1,54 ± 0,08 μm e 2,07 ± 0,33 μm. Os resultados revelam que os espermatozoides das três espécies diferem entre si na morfologia externa quanto ao tamanho e formato da cabeça, e nas proporções de comprimento da peça intermediária.</p> E. G. Gregorin, V. O. Felizardo, C. C. V. Melo, R. T. F. Freitas, U. N. Souza, A. C. Costa ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1639 Thu, 23 May 2019 00:00:00 -0300 Características fermentativas, composição química e fracionamento da proteína da silagem de gliricídia submetida a diferentes períodos de fermentação http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1530 <p>Objetivou-se avaliar o efeito do tempo da fermentação sobre as características qualitativas e químicas da silagem de <em>Gliricidia sepium</em> cultivada no agreste sergipano. Utilizou-se delineamento experimental inteiramente casualisado com cinco tratamentos e seis repetições, sendo os tratamentos os diferentes períodos de abertura dos silos (7, 14, 30, 42 e 60 dias após a data do fechamento). Foram utilizados minissilos de PVC com 10 cm de diâmetro e 30 cm de comprimento. A produção de ácido lático sofreu influência (P=0,01) do tempo de fermentação apresentando comportamento quadrático positivo. A capacidade tampão apresentou comportamento linear (P=0,02), ao longo do tempo de fermentação. Observou-se comportamento quadrático negativo (P=0,01) para os valores de pH, em função do tempo de fermentação. Observou-se comportamento quadrático positivo (P&lt;0,01) sobre o nitrogênio amoniacal da silagem. Observou-se efeito quadrático positivo (P=0,04) na concentração de EE durante os tempos de fermentação analisados, não houve efeito (P&gt;0,05) do tempo de fermentação para as demais variáveis química com valores médios de 230,2 g/kg, 66,4; 514,8; 407,6; 66,7; 107,2; 447,4 e 213,4 (g/kg da MS) para MS, MM, FDN, FDA, Lig, Hem, Cel e CNF respectivamente. Não foi observado efeito (P&gt;0,05) do tempo de fermentação para o teor de proteína bruta (PB) e para os valores protéicos do fracionamento com valores médios de 204,2 g/kg, 356,2, 128,8, 353, 162,6, para PB, fração A, fração B1+B2, fração B3 e fração C, respectivamente. A Gliricídia demonstrou potencial como fonte de alimento na forma de silagem, pois a fermentação conservou suas características bromatológicas estando apta para consumo dos animais aos 60 dias de fermentação.</p> J. C. S. Santana, J. A. S. Morais, M. S. A. A. Santos, A. L. C. Gurgel, E. N. Muniz, V. S. Oliveira ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1530 Thu, 04 Apr 2019 09:09:01 -0300 Pigmentantes vegetais e sintéticos em dietas de galinhas poedeiras Negras http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1455 <p>O objetivo com o presente trabalho foi avaliar o desempenho e a qualidade dos ovos de galinhas poedeiras Negras Avifran alimentadas com a inclusão de 0,8% de extratos vegetais pigmentantes (extrato de páprica (<em>Capsicum annuum</em>), de flor de marigold (<em>Tagetes erectus</em>) e 0,045 % de pigmentante sintético (cantaxantina) na ração. Utilizou-se 120 poedeiras Negras Avifran distribuídas em 4 tratamentos, 6 repetições com 5 aves cada, totalizando 24 parcelas experimentais. Foram realizadas análises de desempenho zootécnico, qualidade dos ovos e cor&nbsp; da gema do ovo através de dois métodos de cores, leque colorimétrico e calorímetro digital. &nbsp;A inclusão de 0,8% de pigmentantes naturais na dieta de poedeiras Negras Avifran criadas em clima quente, pode ser utilizada como forma de substituir a cantaxantina, pois proporciona boa coloração da gema do ovo, favorecendo sua comercialização, e não prejudica o desempenho e a qualidade interna e externa dos ovos (P&gt;0,05).</p> J. K. Valentim, T. M. Bitttencourt, H. J. D. Lima, D. D. Moraleco, F. J. M. Tossuê, N. E. M. Silva, B. C. Vaccaro, L. G. Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1455 Wed, 22 May 2019 08:44:52 -0300 Efeito de dispositivos vaginais impregnados com alta ou baixa concentração de progesterona na taxa de prenhez de novilhas de corte bos taurus indicus submetidas à inseminação artificial em tempo fixo http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1529 <p>O presente estudo teve como objetivo avaliar o uso de dispositivos intravaginais contendo doses altas ou baixas de progesterona (P4) na taxa de prenhez de novilhas zebuínas submetidas à inseminação artificial em tempo fixo (IATF). Novilhas <em>Bos indicus</em> (Nelore) receberam, no dia 0, uma injeção im de 2 mg de benzoato de estradiol (BE) e, em seguida, foram divididas aleatoriamente em três grupos. Nos grupos 1 (n = 80) e 2 (n = 79) foi colocado um dispositivo intravaginal contendo 1,9 g (grupo 1) e 0,75 g ( grupo 2) de P4, enquanto que o grupo 3 (n = 76) não recebeu dispositivo. Os dispositivos intravaginais foram removidos no dia 8, juntamente com a aplicação im de uma dose luteolítica de cloprostenol. Metade dos animais de cada grupo recebeu adicionalmente um injeção im de 300 UI de eCG. Vinte e quatro horas depois, todos animais receberam uma segunda aplicação im de 1 mg de BE e foram inseminados 54-56 horas após a aplicação de cloprostenol. O diagnostico de prenhez foi realizado 40 dias após a IATF, por meio de ultrassonografia transretal. Os dados foram analisados ​​por regressão logística. As taxas de prenhez foram de 27,5% , 30,4% e 28,9% para os grupos 1, 2 e 3, respectivamente (P&gt; 0,05). A injeção de eCG, bem como outras variáveis tais como escore corporal, fazenda e presença de CL no início dos tratamentos não influenciaram esse resultado. Em conclusão, o uso de dispositivos intravaginas contendo alto (1,9 g) ou baixo (0,75 g) teor de P4 resultou em semelhantes taxas de prenhez após IATF de novilhas Nelore púberes.</p> F. L. N. Natal, M. D. Pacheco, R. H. Alvarez ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://iz.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1529 Tue, 21 May 2019 00:00:00 -0300