NOTÍCIAS


29/01/2002

IZ promove dia de campo sobre silagem de girassol

Campo experimental de girassol no IZEntre as principais oleaginosas cultivadas no mundo, o girassol ocupa a quarta posição com 20 milhões de toneladas, superado apenas pela soja, caroço de algodão e canola. Apesar de ser uma cultura destinada a produção de óleo mineral, tornou-se uma importante fonte de proteínas para alimentação animal. Com isso o Instituto de Zootecnia (IZ), órgão de pesquisa da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (SAA) e a CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral), estarão promovendo dia 29 de janeiro, a partir das 8h30, no Setor Palmeiras, dia de Campo sobre confecção de Silagem de Girassol.

O evento tem por objetivo difundir as técnicas de manejo do girassol como uma outra opção ao produtor rural, que pode substituir a silagem de milho ou de sorgo.

No programa do dia de campo, coordenado pela pesquisadora Claudia Rodrigues Pozzi, do Centro de Nutrição e Alimentação Animal do IZ e pela CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral), está previsto a abordagem, através de Estações, do Sistema de produção de leite em Nova Odessa; Cultura e silagem de girassol; Colheita mecânica de girassol para silagem; Técnicas de ensilagem.

A silagem de girassol surge como mais uma alternativa aos pecuaristas que buscam reduzir custos com maiores benefícios na alimentação do rebanho", salienta Claudia Pozzi. O alimento animal apresenta alto valor energético e um teor de proteína 35% superior aos teores encontrados nas silagens de milho.

Depois da colheita, parte do produto já tem destino, será utilizado no projeto de pesquisa "Microbiota fúngica e ocorrência de micotoxinas em girassol", doenças que podem comprometer a qualidade dos grãos e, consequentemente, a qualidade do leite, quando utilizado na alimentação do bovino leiteiro.

Doenças em girassol

GirassolDurante dois anos a pesquisadora Claudia Pozzi estará coordenando o projeto que identifica doenças fúngicas e micotoxinas nos grãos de girassol na pré e pós colheita.

Os grãos de alimentos são expostos a contaminação, especialmente, por fungos, "com isso o trabalho de pesquisa estará apontando os pontos críticos de contaminação fúngica e a produção de micotoxinas (aflatoxinas, alternariol, alternariol monometil éter e ácido tenuazônico) no solo, na cultura do girassol e nos grãos armazenados", afirma Pozzi.

A qualidade do produto é fator relevante na consolidação da cultura para fins comerciais e de competitividade. A área cultivada no Brasil passou de 22mil para 82mil hectares na safra98/99. "Para esse ano a previsão é de 100mil hectares", compara a pesquisadora.

O estímulo a produção da matéria prima se deve ao aumento da demanda do produto pelas indústrias de moagem, assim como a redução no crédito agrícola e a rentabilidade ao produtor como fonte extra, pois pode ser cultivada em sucessão ou rotação com outras culturas.

No país, o girassol se adapta as diferentes condições edafoclimáticas, podendo ter uma alta produtividade. Ele pode ser cultivado intercalado com miho e soja, o girassol melhora a qualidade do solo.

O trabalho que está sendo desenvolvido, pelos pesquisadores do IZ, Benedito Correa, Irineu Arcaro Júnior, Juliana Rodrigues Pozzi Arcaro, Silmar Denucci, Soraia Vanessa Matarazzo, da CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral), Silmar Dennuci e do Instituto de Ciências Biomédicas/USP Benedito Corrêa, faz parte de um dos dez "Programas do Governo Paulista: Incremento da competitividade das cadeias de proteína animal", que visa o desenvolvimento do Agronegócio Paulista.

Mais informações e inscrições para o dia de campo pelo telefone (19) 3466-9444. O Instituto fica na rua Heitor Penteado, 56, centro, Nova Odessa.

 

Serviço:

Dia de campo sobre confecção de silagem de girassol
Data: 29/01/02
Horário: 8h30
Local: Centro Experimental Central do IZ - Nova Odessa


 

Veja todas as notícias



Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir