PUBLICAÇÕES >> Dissertações de Mestrado
Fontes de selênio na dieta de vacas lactantes e seus efeitos na produção e qualidade do leite, ocorrência de mastite e parâmetros fisiológicos

Autores
Carlos Eduardo Oltramari

Resumo

RESUMO:


Com o objetivo de avaliar os efeitos da suplementação de Selênio (Se) orgânico na dieta de vacas lactantes sobre a produção e qualidade do leite, ocorrência de mastite e parâmetros fisiológicos indicadores do estresse térmico, foram utilizadas 24 vacas em lactação, pluríparas, das raças Holandesa Preta e Branca e Parda Suíça, com produção média diária de 18 kg de leite. Os animais foram distribuídos em um delineamento experimental de blocos pareados ao acaso. Os animais receberam duas fontes distintas de Se, configurando os tratamentos Se inorgânico (selenito de sódio) e Se orgânico (Se levedura). O tratamento Se orgânico aumentou a porcentagem de gordura, diminuiu a contagem de células somáticas e não alterou a porcentagem de proteína, lactose, extrato seco desengordurado, sólidos totais e produção total de leite. Na fase pré-experimental identificou-se em cada tratamento um animal com mastite clínica. Ao fim do experimento, 18 semanas depois, no tratamento Se inorgânico houve dois casos e no tratamento Se orgânico nenhum animal apresentou mastite clínica. A mastite sub-clínica, realizada através do CMT, não apresentou diferenças significativas entre os tratamentos, porém ambos diminuíram a incidência de mastite subclínica positiva e fortemente positiva entre as fases pré-experimental e experimental. A colheita de amostras de leite de todos os quartos mamários para identificação microbiológica dos agentes causais da mastite demonstrou que os gêneros Staphylococcus sp., Streptococcus sp. e Corynebacterium sp. foram os mais prevalentes e não houve diferença entre tratamentos. A temperatura de bulbo seco e a umidade relativa do ar, mensuradas a cada 15 minutos, oscilaram durante o período experimental, havendo dias de estresse térmico moderado e sem estresse. A temperatura retal (TR), frequência respiratória (FR) e temperatura de pelame (TP) foram tomadas uma vez por semana (às 14h) e não houve diferença para a TR. O tratamento Se inorgânico diminuiu a FR e o tratamento Se orgânico diminuiu significativamente a TP.


Palavras-chave: Selênio levedura, estresse térmico, bovinos leiteiros, variáveis fisiológicas.

Íntegra (PDF)


Veja todas as publicações



Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir