#NovembroAzulOficial            #NovembroAzul

PUBLICAÇÕES >> Dissertações de Mestrado
Desempenho de vacas leiteiras recebendo dietas a base de forragens suplementares em sistema de confinamento climatizado

Autores
Marcos Rogério Gasqui da Conceição

Resumo

RESUMO:

A produção animal implica na utilização de metodologias viáveis que visam aumentar a eficiência do sistema produtivo e econômico, porém, sem danos ambientais e sociais. Assim, o uso de alternativas que minimizam o uso de suplementos nobres utilizadas na nutrição humana leva a sustentabilidade do sistema produtivo. O ensaio foi conduzido no Centro de Análise e Pesquisa Tecnológica do Agronegócio Bovinos de Leite, Instituto de Zootecnia, com o intuito de analisar o desempenho produtivo de vacas em lactação submetidas às dietas a base de volumosos suplementares em condição diferenciada de ambiência. O delineamento estatístico utilizado foi dois Quadrado Latino 4 x 4, simultâneo, em esquema fatorial, com os seguintes tratamentos: 2 fontes de volumosos suplementar na dieta (silagem de milho e a combinação de cana-de-açúcar com silagem de milho 1:1 na MS) e duas condições de ambiência (com ou sem ventiladores e nebulizadores - VN), com períodos de 20 dias, sendo 11 de adapatação e 9 dias de coleta de dados. Foram utilizadas 8 vacas Holandesas, multíparas em lactação, com peso médio de 550 kg e produção média diária de 20 kg. Analisando os resultados constatou-se que houve efeito de interação dos fatores ambiência e tipo de forragem. No isolamento dos fatores constatou-se que houve menor ingestão de matéria seca da dieta a base de silagem de milho com a ausência de ventiladores e nebulizadores (3,58 x 3,79% peso corporal, P≤0,05) e com maior produção de leite (21,94 x 20,90 kg/dia). Contudo, quando se avaliou o consumo de matéria seca em kg/dia não se verificou diferença significativa (P≥0,05) entre os tratamentos (19,96 x 20,24 kg MS/dia), mas houve o efeito de ambiência (P≤0,05) para as variáveis: eficiência alimentar (113,7 x 109,4%) e conversão alimentar (0,90 x 0,94). Constatou-se que a dieta a base de silagem de milho proporcionou os menores efeitos de temperatura de pelame com o uso de VN e temperatura retal sem uso VN (P≤0,05). Sendo uma evidência que a dieta proporciona o aumento de calor fisiológico no processo digestivo e essa reflete no aumento da temperatura corpórea do animal. Na avaliação ambiental, todos os parâmetros foram significativos (P≤0,05), Assim, o uso de ventiladores e nebulizadores promoveram redução significativa na umidade relativa do ar e temperatura ambiental, mas o índice de temperatura/ambiente (ITU) mostrou-se elevado no período da manhã (72,8 x 72,3) e com aumento significativo (P≤0,05) no período da tarde (76,6 x 75,7). Nesse sentido, o ITU constatado expôs os animais a uma condição de estresse acima do nível critico, que caracteriza o nível de alerta, para temperatura retal e de pelame. O uso da mistura de cana-de-açúcar com silagem de milho, não interferiu no consumo de matéria seca, em % de peso corporal. No efeito de ambiência isolado houve maior eficiência e melhor conversão alimentar em condições de ausência de ventiladores e nebulizadores para os animais consumindo silagem de milho pelo efeito de menor consumo de MS e maior produção de leite. A qualidade da dieta a base de mistura das forragens interfere na composição do leite sem interferir no volume de leite produzido pelos animais. O ambiente avaliado não causou estresse aos animais que interferisse em demasia no consumo e produção de leite.


Palavras-chave: ambiência, consumo, forragem, nutrição, ruminantes.

Íntegra (PDF)


Veja todas as publicações



Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir