#NovembroAzulOficial            #NovembroAzul

PUBLICAÇÕES >> Dissertações de Mestrado
Caracterização nutricional de coprodutos da extração de óleo em grãos vegetais em dietas de ovinos

Autores
Patrícia Brás

Resumo

RESUMO:

A busca por fontes alternativas de energia é uma necessidade em sistemas de produção sustentável, pois além de contribuir com o meio ambiente, pode proporcionar a produção de alimentos alternativos para animais. Espécies como o girassol, nabo forrageiro, crambe e cártamo são consideradas como potenciais para a produção de óleo e coprodutos voltados à nutrição animal. O presente trabalho teve como objetivo estudar a composição química das tortas oriundas da prensagem dos grãos de cártamo, nabo forrageiro, girassol e crambe, adicionadas em dietas de ovinos à base de silagem de milho; avaliar o perfil de ácidos graxos presentes nos óleos e estimar o valor nutricional em ensaios de degradabilidade ruminal in situ, avaliando os efeitos das dietas sob os parâmetros ruminais e sanguíneos. Foram utilizados quatro ovinos fistulados no rúmen, mantidos em baias individualizadas, distribuídos em quadrado latino 4 x 4. Os alimentos foram incubados no rúmen em ordem decrescente 48, 24, 9, 6, 3 e 0 horas. As amostras de líquido ruminal foram coletadas manualmente, nos tempos 0, 2, 4, 6 e 8 horas após a primeira alimentação. As coletas de sangue foram realizadas no final de cada período experimental. A composição bromatológica revelou maior porcentagem de proteína bruta na torta de nabo forrageiro (41,95%). Os animais alimentados com as tortas de nabo forrageiro e crambe apresentaram menor consumo de matéria seca e perda de peso. O pH ruminal e as concentrações de AGCC não diferiram (P>0,05) entre os tratamentos. Maiores teores de N-NH3 foram observados na dieta com a torta de nabo forrageiro, que também demonstrou maiores degradabilidades potencial e efetiva da MS (88,62 e 83,25%). A torta de cártamo apresentou maiores teores de FDA e lignina, e menor degradabilidade efetiva da MS e PB (40,46 e 74,32%). Os coprodutos avaliados apresentam características que os qualificam como potenciais fontes de proteína para ruminantes. Os parâmetros sanguíneos ficaram dentro da faixa esperada, ocorrendo níveis acima dos valores de referência somente para a enzima AST nos animais alimentados com a torta de crambe.


Palavras-chave: ácidos graxos de cadeia curta, degradabilidade in situ, nitrogênio amoniacal, cártamo, crambe, girassol e nabo forrageiro.

Íntegra (PDF)


Veja todas as publicações



Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir